A Realidade Humana

Realidade 3

A Realidade é um universo com várias dimensões e muitas variáveis. Está dependente de quem a interpreta e do método utilizado na interpretação. Para que essa interpretação seja mais precisa deverá basear-se em recolha de dados e métodos estatísticos, que no final deverão ainda ser compilados e submetidos a outra interpretação. Lembremo-nos, mesmo quando existem diferentes observadores da mesma realidade em simultâneo, o modo como a interpretam pode ser diferente. Por comparação, a Realidade corresponde à recolha de dados em tempo-real nas tecnologias da informação.

Sem dúvida está dependente de atitudes e comportamentos dos Seres Humanos, da sua Educação, da Consciência adquirida e da envolvente Social e Coletiva. A maneira de Ser e de Estar contribuem decisivamente para a Realidade.

“O termo realidade se refere a uma circunstância externa à percepção humana e que é independente dela. A realidade representa todos os fenômenos do universo cujas leis estão fora de alcance da vontade do homem. Assim, compete ao homem conhecer as leis e compreendê-las para ter algum tipo de influência na realidade. Ela existe de alguma maneira determinada e pode ser básica em algum ponto, mas também pode servir de debate na história da filosofia e da ciência. De facto, sempre foi necessário estabelecer um limite entre o real e a percepção dos sentidos para fins da ciência. Desta forma, podemos observar as várias controvérsias do passado.” (https://conceitos.com/realidade/)

Realidade 1

Atualmente somos 7,5 biliões de Seres conscientes e inteligentes, neste Planeta, e muitos biliões mais de outros Seres Vivos na nossa Biosfera. Cada um dos Seres Humanos tem a sua interpretação de uma realidade. Os mais esclarecidos terão na sua mente uma realidade de maior dimensão, dependendo das suas experiências de vida e dos conhecimentos adquiridos. Mas não necessariamente uma interpretação suficientemente abrangente para ser considerada global.

Aliás, o Global vai depender da dimensão que se considerar e do objeto de observação. Assim sendo, deveremos considerar as diferentes parcelas da Realidade e as suas interações. Parece complexo e é complexo. Só um processo de compartimentação e simplificação interpretativa poderá ajudar a esclarecer a Realidade objeto de observação, porque é multidimensional.

Mas a que propósito estou eu a dificultar-lhes a interpretação da Realidade? Porque ela tem de ser objetiva, bem dimensionada e submetida à Razão (raciocínio lógico-dedutivo dos factos). “Razão, no sentido geral, é a faculdade de conhecimento intelectual próprio do ser humano, é um entendimento, em oposição à emoção. É a capacidade do pensamento dedutivo, realizado por meio de argumentos e de abstrações. É a faculdade de raciocinar, de ascender às ideias.” (https://www.significados.com.br/razao/)

Como podem verificar não é um processo fácil. No entanto, há quem o transforme em facilitismo na interpretação, e/ou, deturpe a interpretação dos factos para dar outra sensação de realidade. Este é o estado perigoso em que o Homem transforma a Realidade.

Basta observarmos o dia-a-dia da Comunicação Social e das Redes Sociais, que nos envolvem muito tempo, para nos apercebermos do modo como recebemos uma parcela da realidade. Uma dimensão perversa do que chamamos de Realidade, vem sobre a forma de fake-news (notícias falsas).

Mas o Homem, na sua senda de pesquisa, inovação e criatividade, não se fica por estas dimensões! Desenvolveu mais dimensões de percepção da realidade – Realidade Virtual, Realidade Aumentada, Realidade Mista.

Realidade 6

(Fonte da imagem: https://moreleads.pt/realidade-mista-e-marketing-digital/ )

No Presente e num Futuro Próximo, o Ser Humano tem de estar muito bem preparado, através da Educação e do Ensino (todos os níveis), em matéria de Conhecimento e de capacidade interpretativa para não se deixar envolver racional e emocionalmente pelos caminhos tortuosos da realidade facilitada. Sobretudo preparar bem a sua Consciência Individual e Coletiva para as armadilhas que determinados grupos económicos e financeiros, religiosos e espirituais, políticos e sociais, de índole pouco confiável, nos quererem ‘mentalizar’ para o lado ‘negro’ da Realidade.

A mente Humana, por ser ‘moldável’ e ‘volúvel’, deverá possuir as características e Valores Humanos, da nossa espécie melhorada, para não perdermos definitivamente a nossa dignidade e condição Humanista.

Infelizmente, o Homem é ‘bombardeado’ constantemente com informação de todo o tipo. É uma ‘guerra’ continuada com tendências de guerra-fria, onde impera a hipocrisia, na qual deve sobressair o Ser Humano de Valor.

A este propósito gostaria de vos transcrever um comentário que a minha querida companheira Angela Figueiredo Alem fez sobre o meu texto “À Descoberta do Planeta Terra”  (https://valorhumano.me/2019/05/05/a-descoberta-do-planeta-terra/), que a meu ver traduz bem o modo como encaramos a Realidade:

“E quanto mais nos conhecemos como Humanidade, mais percebemos quanto somos absurdamente ignorantes, quando formulamos raciocínios falsos a fim de ‘massagear nosso ego’, tirando conclusões que não condizem com as atitudes que apresentamos no nosso cotidiano!

Basta observar, o que fazemos com os nossos semelhantes e o nosso Planeta! Sem contar com o que fazemos até a nós mesmos!

A grande maioria de nós, nasce perfeita… sim!

Entretanto, perfeitos apenas o suficiente para começarmos a nos destruir ao adquirirmos um pouco de autonomia para destruirmos:

  • O nosso Planeta, o nosso corpo e o nosso cérebro;
  • O nosso presente e o nosso futuro (individual e coletivo), através de comportamentos destrutivos e até suicidas [como: vícios que matam tão lentamente que os viciados não acreditam, nem percebem… aliás, só perceberiam se realmente fossem inteligentes. E que vícios são estes que matam nos ‘quatro cantos’ deste planeta? 1) Cigarros de todo o tipo; 2) Bebidas alcoólicas de todo o tipo; 3) Drogas de todo o tipo e espécie, já criadas e utilizadas em todo o Planeta].”Angela Alem 

O Homem tem um prazer mórbido e uma obsessão pelo ‘abismo’ julgando que poderá sempre voltar para trás e recuperar outro caminho melhor. Mas não é verdade. Muitas Pessoas escolhem caminhos de vida destruidores de inteligência julgando que podem inverter o sentido. Esquecem-se que existem caminhos que uma vez trilhados não têm retorno, pois os elementos existentes nesse caminho se encarregam de os ‘puxar’ para a sua autodestruição. Infelizmente muitos de nós não possuem a Consciência desta triste realidade e julgam-se Super Homens. Quem consegue superar dessas trágicas vicissitudes, não só demonstra coragem como se transforma num vencedor que pode ajudar outros na mesma condição.

Pelo que me é dado observar, o Homem possui um poder destruidor bem mais potente que o poder de construir sustentadamente caminhos de Vida. Basta verificarmos o modo como as alterações climáticas e o aquecimento global estão a ser combatidas, para constatarmos que a este ritmo morreremos todos ‘fritos’.

Vejamos a realidade dos resíduos de plástico e constataremos que será preferível construir um continente flutuante do que limpar o lixo que é depositado nos oceanos. A questão que se pode colocar é de natureza ética. A biosfera marinha pertence a seres que o Homem está a envenenar e a destruir, para além da destruição dos bancos de pesca que o Homem usa para seu belo prazer.

Portanto, meus caros Leitores, a Realidade somos NÓS que a construímos todos os dias, a todas as horas, com as nossas atitudes e comportamentos. Quanto mais estivermos imbuídos de Valores Humanos e Consciência Individual e Coletiva, melhor preparados estaremos para construir o nosso Futuro Sustentável neste Planeta único do nosso Universo. Mesmo que não seja único temos o DEVER de respeitar o equilibro da nossa Biosfera, que se tornou a nossa casa.

Realidade 9

Alfredo Sá Almeida                                                                                   19 de Maio de 2019

À Descoberta do Planeta Terra

Terra em 2066

Interessante a dinâmica que a NASA (National Aeronautics and Space Administration) tem criado em torno das viagens para Marte e a possibilidade de colonização por Seres Humanos. Tudo pensado e construído ao pormenor desde casas, veículos, energia, fonte de recursos essenciais, etc. Não há dúvida que a engenhosidade Humana é de qualidade superior e capaz de conquistas extraordinárias.

Vem este meu raciocínio a propósito de um artigo muito interessante: “Michael Morris, arquiteto premiado pela NASA, apresenta 5 Casas para Marte” (https://descla.pt/?p=114640).

Lembrei-me, e muito, do Planeta Terra. Tantos e tantos problemas criados pelo Homem, nesta nossa ‘casa’:

  • Poluição – do ar, do mar, dos rios, do solo (ao ponto de tornarmos inabitáveis determinadas regiões do nosso Planeta);
  • Pobreza – aumento significativo dos índices de pobreza mundial (falta de água, má alimentação, falta de habitação, falta de formação, falta de educação, falta de saúde etc.);
  • Efeito de estufa – aumento muito significativo dos níveis de CO2 no Ar provocando o aquecimento global, a extinção massiva de muitas espécies de seres vivos, perda de terra de cultivo e culturas importantes para a alimentação Humana etc.
  • Criminalidade – aumento significativo da criminalidade em determinadas regiões do globo;
  • Saúde mental – Aumento significativo dos índices de insanidade mental dos Seres Humanos (depressão, burnout, ansiedade excessiva etc.)

Não vou continuar esta lista para não assustar ninguém. Mas faz muita falta colocarmos os nossos recursos Humanos, especialistas nas mais diversas áreas do saber (da ciência e da tecnologia, da arquitetura e construção, da medicina e da saúde etc.)  a descobrir os ‘pontos negros’ do nosso Planeta para o colonizarmos sustentavelmente.

Seria muito interessante assistir à constituição de uma Organização Global Mundial, por exemplo, GASA (Global Altruism for Society Administration) capaz de desenvolver as melhores práticas em todos os membros da nossa Sociedade e criar as dinâmicas necessárias para conseguirmos ser autossustentáveis e com características de Seres Humanos, imbuídos dos respetivos Valores.

Tantas e tantas casas que poderiam ser construídas de modo rápido e económico, dando ao mesmo tempo a formação às Pessoas economicamente mais débeis, cuidando da sua saúde e transmitindo os necessários conhecimentos para uma alimentação saudável etc.

Poderíamos inverter rapidamente o sentido de destruição massiva que estamos produzindo ao nosso Planeta e construiríamos uma maior Consciência Coletiva bem mais saudável do que a atual.

Somos Seres dinâmicos e criativos, mas ao mesmo tempo faltam-nos os Valores que caracterizam a Humanidade e que são essenciais para a inversão da dinâmica destruidora de Planetas e de espécies de seres vivos.

Se temos a intenção de colonizar o Planeta Marte, não habitado (?), com todos os cuidados e particularidades da sustentabilidade, definindo todos os aspetos dessa colónia, deveríamos começar pelo Planeta de origem e pelas boas práticas implementadas em ‘casa’ com sucesso. Mas não, usamos aquele célebre ditado “Faz o que eu digo e não o que eu faço” e sacudimos a ‘água do capote’ como se não fosse nada conosco.

No entanto, existe uma outra grande diferença nas metodologias (todas) que se vão utilizar em Marte e aquelas que se utilizam na Terra. Na Terra vigora primordialmente a estratégia do negócio, lucro e poder. Em Marte vigorará o primado da tecnologia e sustentabilidade, para manutenção de Vida Humana. Depois logo se verá, se evoluirá como negócio, lucro e poder.

O Homem não aprendeu as lições que a História nos conta, bem alto, prefere o caminho mais fácil ao mais correto e sustentável. Esperemos que não deixem reduzir a pó o planeta Mãe.

Planeta Terra em pó

Alfredo Sá Almeida                                                                                     5 de Maio de 2019

Nota – “Altruísmo é um tipo de comportamento encontrado em seres humanos e outros seres vivos, em que as ações voluntárias de um indivíduo beneficiam outros. É sinônimo de filantropia. No sentido comum do termo, é, muitas vezes, percebida como sinônimo de solidariedade. A palavra “altruísmo” foi criada em 1831 pelo filósofo francês Auguste Comte para caracterizar o conjunto das disposições humanas (individuais e coletivas) que inclinam os seres humanos a dedicarem-se aos outros. Esse conceito opõe-se, portanto, ao egoísmo, que são as inclinações específica e exclusivamente individuais (pessoais ou coletivas).” – Wikipédia

A Democracia e o Futuro da Humanidade

O sistema democrático é seguramente o melhor sistema político instituído nos Países. No entanto, não é um sistema perfeito! Longe disso. Aliás, António Barreto, no seu recente artigo do Jornal ‘Público’ “A imperfeição democrática” (https://www.publico.pt/2019/04/07/opiniao/opiniao/imperfeicao-democratica-1868243) a caracteriza do seguinte modo: “Melhor do que qualquer outro regime a democracia dá ou permite mais liberdade a toda a gente. Incluindo bandidos, ladrões e corruptos. Déspotas e mentirosos.”

Mas é um sistema passível de ser aperfeiçoado ao longo do tempo, dependendo apenas da Consciência dos Cidadãos e do nível de Educação que receberam. Ou seja, do Povo e dos Candidatos.

Por esse mundo fora, vivem-se democracias essencialmente representativas e pouco participativas. Em alguns casos, os Cidadãos são chamados a decidir por Referendo sobre aspetos que afetarão o seu Futuro, mas muitas vezes com pouca expressão.

Num aspeto temos de concordar: ‘Quanto maior for o nível de instrução, educação e ensino de um Povo, maior é a probabilidade de existir uma democracia mais madura e interveniente.’ É aqui que eu pretendo desenvolver o meu tema.

Uma pergunta que coloco com muita frequência prende-se com a decisão sobre o Futuro de um Povo.

  • ‘Quando poderão os Cidadãos do Mundo decidir sobre o rumo do Futuro da Humanidade, de longo prazo, da Sociedade Global?’

Até o momento, nenhum Cidadão tem a possibilidade de decidir diretamente sobre vários cenários de Futuro que lhe sejam apresentados, escolhendo aquele que considera mais correto e plausível. Essa matéria está reservada a uns quantos Líderes ‘iluminados’ que decidem ‘quem vive e quem morre’ num abrir e fechar de olhos.

Reconheço que a Educação, o Ensino, a Formação, o nível de Instrução e o grau de Inteligência e Consciência Coletivas de um Povo são fundamentais para uma maior capacidade de decisão sobre o nosso Futuro e o da Biosfera.

É aqui que os regimes democráticos deveriam investir MAIS, MELHOR e MAIS RÁPIDO. Verificamos, infelizmente, que o ritmo é muito lento, para não dizer estático.

Recorro aos pensamentos e afirmações de Nelson Mandela para retratar como e qual deveria ser a consideração que TODOS os regimes democráticos deveriam ter pelo processo Educativo.

nelson_mandela_a_educacao_e_a_arma_mais_poderosa_que_vo_lxw8ewq

Esta é talvez a afirmação mais famosa de Nelson Mandela, um Político preocupado com o seu Povo. “Mandela foi sempre defensor de um sistema educacional mais equânime e digno. “Não está além do nosso poder a criação de um mundo no qual crianças tenham acesso a uma boa educação. Os que não acreditam nisso têm imaginação pequena”, repetiria ele ao longo da vida.”Revista Prosa Verso e Arte. (https://www.revistaprosaversoearte.com/a-educacao-e-a-arma-mais-poderosa-que-voce-pode-usar-para-mudar-o-mundo-nelson-mandela/).

“O presidente Mandela falou com paixão em todos os fóruns possíveis sobre seu compromisso de prover educação de qualidade para todas as crianças da África do Sul, assim como propiciar também uma vida melhor para todos. Ele estabeleceu parcerias valiosas com o setor privado, especialmente para a construção de escolas nas comunidades rurais de todo o país”, diz o Departamento de Educação Básica em seu site.”

Ninguém pode se sentir satisfeito enquanto ainda houver crianças, milhões de crianças, que não recebem uma educação que lhes ofereça dignidade e o direito de viver suas vidas completamente”, disse ele por ocasião da fundação da organização. (Institute for Rural Development and Education)”.

É sobre esta matéria, esta paixão, este compromisso, esta decisão, que eu gostaria de ver TODOS os Presidentes de Países por esse mundo fora, envolverem os seus Cidadãos numa dinâmica que conduz a bons resultados num prazo mais curto que o atual.

Infelizmente, vemos os Professores, os Ministérios da Educação e Ensino e os Cidadãos em geral envolvidos em questiúnculas estéreis, processuais, demasiado sindicalizadas e pobres. Falta uma dinâmica virtuosa que galvanize as Populações e as Instituições de todos os níveis de Ensino, a debaterem sobre um rumo para o Futuro da Humanidade. Sobre o sentido que a VIDA da nossa Biosfera deveria ser preservada e que graus de sustentabilidade deveríamos aderir para mantermos o nosso Planeta viável.

Mas as Democracias, por esse mundo fora, estão muito mais dedicadas às questões do foro financeiro, estéril e frio, que não conduz a nada de BOM nem com Futuro.

Aproveito para lembrar o artigo de António Barreto, onde ele escreve e bem: “A ideia da democracia virtuosa é ridícula, infantil e comovedora. E sobretudo errada. Como é ainda uma espécie de perversão totalitária, na medida em que postula modos de ser, virtuosos sejam eles. A democracia é uma forma de escolha dos governos que reside em poucas ideias e princípios. Os cidadãos são iguais em condição e estatuto, o que implica o postulado simples “uma pessoa um voto”. Há eleições regulares e livres, com liberdade de associação e de expressão. Os vencedores governam, os que perdem são oposição e as maiorias respeitam as minorias.

Pouco mais. Honestidade e bondade não fazem parte da democracia. Podem fazer, mas não necessariamente. Eficiência e dedicação ao público também não. Podem, mas não necessariamente. Solidariedade e inteligência também não, tal como respeito pelos outros ou fraternidade. Todos estes atributos de humanidade podem ou não coexistir com a democracia. Ou antes, em todas as democracias existem esses predicados e o seu contrário. Por isso, se queremos uma democracia decente, é necessário lutar, criar instituições, desenvolver direitos e liberdades e estimular a decência.”

Não podia ser mais claro este raciocínio. Eu gostaria que as Democracias evoluíssem rápido e BEM sobretudo no sentido da decência e do compromisso efetivo com a Educação. Só assim poderemos pensar e vislumbrar que um dia possamos estar à altura de decidirmos sobre o Futuro da Humanidade.

Não é difícil! Envolve VONTADE de lutar com inteligência e consciência, CONSTANTEMENTE sem desistir, mas sem se tornar obsessivo.

A Educação e a Democracia estão comprometidas com a evolução do Homem. Só assim poderemos ter um Futuro digno para TODOS.

Alfredo Sá Almeida                                                                                    8 de Abril de 2019

A Felicidade é um estado de espírito perigoso

A Felicidade

Vou transformar esta minha afirmação num texto satírico porque considero que é a melhor forma dos meus Leitores se aperceberem da importância da verdadeira Felicidade.

É natural e muito saudável que a mente e o corpo de qualquer Cidadão possa ser ‘inundada’ de Felicidade e alegria de viver. Mas temos de concordar que a nossa Sociedade não nos dá muitos incentivos nem razões para sermos Felizes, cada um à sua maneira.

Em Fevereiro do ano passado escrevi um texto: “Comprar Felicidade?” (https://saalmeida.wordpress.com/2018/02/17/comprar-felicidade/), por ter surgido um estudo ‘científico’ que afirmava – “Há uma quantia exata para a Felicidade, sugerem cientistas” (http://ptjornal.com/ha-uma-quantia-exata-que-traz-felicidade-sugerem-cientistas-240167).

Pois, já sabemos que a Felicidade se transformou numa ‘mercadoria’, tem um valor monetário e está disponível no ‘mercado’ para quem quiser comprar a dose que necessita. Para tal não temos de nos preocupar muito, nem possuir Valores Humanos, porque está ao alcance de uns ‘cobres’, na loja da esquina.

Não tem problema, afirmam as Pessoas, porque cada um tem a liberdade para interiorizar esta questão como quiser. A Felicidade é um preconceito, dizem uns, pois você pode adquiri-la como quiser e desfrutá-la a seu belo prazer, independentemente de quem estiver à sua volta.

‘Mas não será perigoso?’ Questionam alguns! A expressão dessa Felicidade pode trazer problemas! Não! Afirmam os ‘sabedores’ não tem problema nenhum, ‘quem estiver mal que se mude!’.

Bom, não será tanto assim, afinal pode produzir reflexos perigosos nos outros. Recentemente, surgiu um acontecimento grave, que transformaram em notícia, dando conta do seguinte: “Crime choca Itália: “Matei-o porque parecia feliz e não suporto a felicidade” (https://expresso.pt/internacional/2019-04-02-Crime-choca-Italia-Matei-o-porque-parecia-feliz-e-nao-suporto-a-felicidade#gs.4f1mem).

Perguntam os meus Leitores, ‘mas como é possível um maluco destes andar à solta?’. O problema (se é que algumas pessoas interiorizam este facto como um problema!) é que a Felicidade, sendo transformada em ‘coisa’, pode ser roubada por quem estiver afim disso. E haverá sempre uma justiça tolerante e de compaixão para o ‘infrator’. Vai ser julgado e terá direito a defesa paga pelo Estado. Certinho e limpinho. Está resolvida a questão.

Dirão alguns, ‘Valores Humanos na Educação/Ensino formal nem pensar que eu não quero o meu filho catequizado!’. ‘Eu é que educo o meu filho, a Escola só deverá ensinar as matérias necessárias para que ele possa trabalhar e ganhar dinheiro!’.

Pois é, enquanto pensarmos assim, não haverá Felicidade que nos valha. Esta foi a Felicidade que nos foi vendida por especialistas em marketing e vendas (do mais elevado gabarito). Não devemos admirar-nos, pois o mais provável é surgirem no Futuro casos semelhantes. NINGUÉM TEM O CUIDADO DE IMBUIR OS CIDADÃOS EM VALORES HUMANOS. Logo, cada um tem a Liberdade distorcida que quiser para agir a seu ‘belo’ prazer.

Eu estou muito triste com tudo isto, e, cada dia que passa observo, verifico, constato mais e mais casos GRAVÍSSIMOS de falta de Valores Humanos na grande maioria da Sociedade.

Tenho desenvolvido este tema do Valor Humano, de um modo sério, Humanista e com consciência crítica, há mais de cinco anos, para ser confrontado com esta triste realidade constantemente.

Eu continuo a ter o sonho de ver o tema dos Valores Humanos devidamente incluído no Ensino e Educação de TODAS as crianças e jovens por esse mundo fora, sem que esse facto provoque exaltações despropositadas e egoístas nas Pessoas.

O Futuro é uma ‘amálgama’, na mente de quem o ‘sente’, de Conhecimento, Ideal, Sonho e projeção temporal com o objetivo de tornar intrinsecamente melhor a Vida das Pessoas e sobretudo que possam ser mais Felizes e mais Conscientes que no presente.

Muitas Felicidades para TODOS os meus Leitores. Um grande abraço amigo para TODOS.

Alfredo Sá Almeida                                                                                  5 de Março de 2019

Quando e como acontecerá uma mudança de Paradigma?

Imaturidade

A Sociedade Global atual vive (ou sobrevive) entre um mundo de ficção virtual e uma realidade dramática. São dois mundos distintos que quase nunca se misturam. No entanto, quem vive no mundo da ficção virtual pode cair no da realidade dramática. Quem vive os dramas do dia a dia da sobrevivência tem imensa dificuldade de incorporar a ficção virtual, dados os ensinamentos que esse mundo dramático lhe acrescentou, não permitindo que se deixe iludir.

Realidade Virtual 1

Quer queiramos quer não, o nosso Mundo está muito doente devido às carências e falências, do muito que se torna necessário para recuperar o ‘doente’. No estado em que se encontra, das duas uma, ou morre da doença ou morrerá da cura.

Eu gostaria muito que este Mundo ‘doente’ aproveitasse todas as energias que lhe restam para se transformar numa realidade biosustentável e com Valor Humano. Sem rancor, mesquinhez, violência, arrogância e tantas outras demências, que os Líderes mundiais têm aversão a ‘destruir’, por as incorporarem e lhes dar jeito de se manterem no poder e terem ‘argumentos obtusos’ para dizerem aos ‘fiéis’: “Eu não lhes disse que aconteceria?”

Na verdade, acontecerá sempre do mesmo modo porque a Sociedade está estruturada e ‘instruída’ para que isso se verifique. Talvez, quando um pequeno Cidadão ‘inocente’ gritar à multidão que ‘O Rei vai nu!’ os restantes Cidadãos amedrontados queiram reconhecer que chegou a hora de mudar de Paradigma.

Os recentes acontecimentos climáticos extremos que se desenvolveram em Moçambique, colocaram a nu a fragilidade em que a Sociedade Global se encontra e se encontrará, com a previsibilidade de aumento da frequência destes fenómenos atmosféricos em TODO o Mundo.

 

É muito triste assistir aos dramas de tantos Seres Humanos, que por infelicidade já são pobres, se vêm privados do pouco que possuíam e não sabem a quem recorrer para sobreviver com maior dignidade. O mesmo se passou no Haiti aquando do terramoto que destruiu uma boa parte do País.

Infelizmente, existem por esse mundo fora mais realidades dramáticas do que ficções virtuais. E o mais triste de tudo é que nos Países que vivem uma ficção virtual permanente, não se dão conta que também poderão sofrer os mesmos dramas intensos que os mais pobres sofreram. Mas haverá sempre alguém com compaixão para os apoiar e recuperar.

Seria muito melhor que uma ‘esmagadora’ maioria de NÓS possuísse uma vida digna (considerada como normal) e solidária, capaz de, apoiando-se mutuamente, suprirem as falhas de inexistentes condições de socorro.

Agradeço que me acompanhem no seguinte raciocínio:

  • – Todos NÓS sabemos que para manter um Estado em alerta de guerra, ou de defesa contra invasões, é necessário gastar enorme quantidade de dinheiro, para manter o sistema ativo com o hardware renovado suficiente, para responder à tal pretensa invasão. Ou seja, o esforço necessário para manter tal poderio daria para resolver imensos problemas da Humanidade e apoiar muitas Nações a serem autossustentáveis. Mas não, não é assim que as coisas funcionam. Quem possuiu esses sistemas de prontidão bem mantidos, não abdica de os possuir, para não se sentir ‘despido’ e nu. É a razão do PODER. Eu posso, logo não abdico do poder. É esta a lógica do sistema que TODOS NÓS temos vindo a alimentar, porque foi assim que nos ensinaram e os preconceitos têm muito peso na Sociedade Global.
  • – Nem pensar em alterar o paradigma que nos trouxe até aqui porque isso daria ao ‘inimigo’ a oportunidade de nos ‘invadir’ e se apoderar de NÓS. Ou seja, não é uma lógica de interajuda e de solidariedade, mas sim de PODER.
  • – Por outro lado, esses pseudo ‘inimigos’ não são capazes de se colocar de acordo e de construírem uma Consciência Coletiva para criarem as bases de um novo Paradigma onde TODOS pudéssemos estar representados. Porque se o fizerem em cooperação, perderiam o PODER da vantagem. Logo, está fora de questão. No caso de haver uma nova Guerra Mundial, o paradigma será alterado quer queiramos quer não. Só não saberemos que tipo de paradigma será instituído e se será melhor que o anterior.
  • – Se nos mantivermos neste estado letárgico, de nada fazer que altere o ‘equilíbrio de forças’, as mudanças ocorrerão forçosamente, quer queiramos quer não, ‘naturalmente’ para pior e para a grande maioria de NÓS, porque não somos NÓS a razão de preocupação. A razão será sempre a do PODER. E no PODER não está ninguém que nos possa representar, a não ser que você escolha qual dos lados pretende ficar.
  • Se é possível gastar tanto dinheiro e investir tanta sabedoria para construir uma ‘máquina de guerra’, então deveríamos saber desviar esse ímpeto para causas mais nobres para a Humanidade.

Perante este tipo de raciocínio considero que existe TANTO a fazer por uma nova Ordem Mundial, onde os Seres Humanos possam ser sustentáveis na nossa Biosfera, vivendo em harmonia com a Natureza mantendo uma criatividade e inovação sãs, para uma NOVA SOCIEDADE GLOBAL, onde não haverá tempo para violências, nem arrogâncias, nem rancor, nem mesquinhez e tantas outras demências. Haverá sim lugar para os Valores Humanos, para a capacidade de construir uma Inteligência e Consciência Coletivas conducentes a um Futuro Coletivo em sustentabilidade com a Biosfera.

Todos aqueles que não pretenderem manter uma postura Inteligente e Consciente, preferindo todas as demências que mencionei, haverá quem se ocupe de lhes ‘acalmar’ a violência, porque na NOSSA BIOSFERA não haverá lugar para essa adrenalina excessiva, nem para vícios doentios e destruidores de mentes Conscientes e com Futuro. Os excessos de adrenalina bem como os vícios tratam-se com atos médicos e aprendizagens de inserção social.

Aliás, verifico com muita tristeza que a violência se está a enraizar em muitos Seres, que não posso chamar de Humanos nem de Cidadãos, por não possuírem a capacidade de argumentação nem persuasão para conviver em Sociedade. E, mais grave ainda, existe uma tolerância excessiva para atos violentos e de caráter selvagem. NÃO SERÃO ADMISSÍVEIS ATOS DE VIOLÊNCIA VERBAL OU FÍSICA ENTRE HUMANOS NO PARADIGMA QUE ESTOU A DESENVOLVER.

Outra questão que verifico, com muita tristeza, é o da Educação e do Ensino (ou a falta deles) não estarem orientados para Valores Humanos nem para uma Cidadania de sã convivência.

Aqui chegados, meus caros Leitores, temos de DECIDIR o que pretendemos no NOSSO Futuro, e, em que tipo de Paradigma pretendemos VIVER, se no atual (e salve-se quem puder) ou num NOVO PARADIGMA de Valor Humano.

Eu já decidi qual o Paradigma que pretendo para o Futuro da Sociedade onde vivo. E você já decidiu?

A Guerra

Alfredo Sá Almeida                                                                  24 de Março de 2019

Imaginem…

only-imagine

Estamos em 2060. Praticamente não há guerra no Planeta Terra.

Vivemos num mundo cada dia mais tecnológico. Estamos profundamente ‘mergulhados’ na realidade virtual, na realidade aumentada, nas imagens holográficas 3D, etc. Por outro lado, a grande maioria da sociedade vive em mega-cidades de dezenas de milhões de habitantes. Cidades modernas com todas as tecnologias ao dispor de todos os Cidadãos. Cidades higiénicas em todo o sentido da palavra. Casas higiénicas em todo o sentido da palavra.

Não há poluição nas ruas, nem em qualquer outro lugar. As energias limpas são usadas a 100% em todas as cidades e em todas as casas.

Todas as crianças vão à Escola e aprendem todos os dias como lidar com as novas tecnologias que surgem a um ritmo acelerado.

Agora, meus caros leitores, imaginem-se uma criança dos 4 aos 12 anos de idade que convive com todas as tecnologias (possíveis e imaginárias).

Será que essa criança poderá imaginar a beleza da nossa Biosfera atual (a que ainda resta), com toda a diversidade vegetal e animal?

– Dirão:

  1. Mas poderá ver fotos e vídeos de como era antigamente. Ou;
  2. Poderá ver em tempo real imagens da Terra via satélite. Ou;
  3. Poderá ver através da realidade virtual vídeos do nosso Planeta;
  4. Etc.

Mas terá tempo para aprender sobre a vida e os Valores Humanos?

– Dirão:

  1. Claro que sim, todos os cursos estão disponíveis em tempo real. (Mas, será que poderá acampar com os Pais numa floresta para aprender diretamente em plena natureza?)
  2. Conviverá com todas as outras crianças da Escola e aprenderá a interagir em Sociedade. (Mas, será que existirá uma Escola como a atual?)

Em que tipo de Escola aprenderá ela todas as matérias que necessita para lidar com tanta tecnologia? Saberá ela entender o significado de toda aquela tecnologia?

Se tudo estará automatizado, se existirão robots para fazer todos os trabalhos normais diários, a ela só restará pensar para realizar. Ela verá os seus Pais elaborar tarefas complicadíssimas com uma facilidade enorme, logo ela também será capaz no futuro próximo de as realizar.

Num mundo como aquele que tenho vindo a descrever:

  1. Que convívio terão as crianças e jovens?
  2. Como se relacionarão? (por transmissão de pensamento, talvez.)
  3. Que Valores Humanos irão sobressair das suas vivências?
  4. Afinal de contas elas saberão resolver problemas dos mais complexos, mas será que compreenderão para quê? E por quê?
  5. Como lidarão com o nascimento e a morte? (afinal as Pessoas vivem durante longos anos com saúde.)
  6. Como lidarão com as emoções? Ou, com o Amor? Ou, com a violência? Ou, com o bullying? Será que não dispõem de jogos informáticos violentos em realidade virtual?
  7. Como serão incentivadas as diversas criatividades naturais de uma criança? Com tanta tecnologia ao dispor, como será? Música? Pintura? Escultura? Dança? Cinema? Literatura? Arquitetura? Etc.?
  8. Haverá Filósofos Humanistas? Aprenderão elas sobre o Humanismo?
  9. Será que saberá como ultrapassar um sofrimento de Ser Humano?

Enfim, serão muitas delas sobredotadas e com uma capacidade enorme de realização e construção. Mas serão Felizes? Como interiorizarão a Felicidade, o Amor e a Convivência?

Bom, deixemo-nos de perguntas vãs e generalistas.

Vamos ao que interessa. Chegou a hora dos adultos e dos interesses mais diversos.

Em 2100 foi descoberto um Planeta capaz de suportar vida Humana e que poderá conter outras formas de vida. É claro que o Homem há muito que anseia visitar um desses Planetas, até colonizá-lo (se possível). Todas as tecnologias existem para colocar uma equipa multidisciplinar nesse planeta, em tempo considerado satisfatório (menos de um ano terrestre).

Será o Homem capaz de colonizar outro Planeta com o mesmo espírito com que colonizou (usurpando) outros  territórios continentais no passado? Ou, estará bem preparado como Ser Humano, imbuído de Valores Humanos, capaz de compreender outras ‘civilizações’, possuir o grau de empatia necessário para conviver e aprender como e porque vivem daquela maneira? Terão os Cidadãos de 2100 uma Inteligência e Consciência Coletivas capaz de estabelecerem um contacto positivo com outras civilizações, sem as colonizar? Não só podem como devem imaginar sempre a melhor das situações possíveis, já que nos consideramos os seres mais inteligentes que conhecemos até agora.

Penso que o Homem tudo fará para encontrar um Paraíso, julgando que poderá eternamente desfrutar de todos os recursos, sem ter de se preocupar muito com o Futuro Coletivo.

Seremos nós capazes de SER biosustentáveis? Ou, seremos como a história de Adão e Eva?

Será que aprendemos a lição?

Eu só posso imaginar o Futuro e desejar que a Humanidade seja cada vez mais Humana e com Valor. Mas também posso contribuir para a construção de um Futuro melhor para TODOS! OU NÃO POSSO?

Alfredo Sá Almeida                                                                           17 de Março de 2019

A Juventude, o Futuro e o Poder

Este texto surge na sequência de um acto importante de Cidadania Global, da autoria de uma jovem – Greta Thunberg, como Cidadã do Mundo. Representa a coragem de falar pelo Futuro dos mais jovens e transmite-nos quão incompetentes temos sido na defesa da Biosfera, do equilíbrio climático, das espécies em vias de extinção e na indiferença criminosa que estamos a praticar para o nosso Planeta e para NÓS próprios.

Discurso de Greta Thunberg na ONU

Mas antes de expor a minha opinião sobre o tema em título gostaria de vos deixar o discurso que Greta Thunberg proferiu na ONU:

(https://medium.com/greta-thunberg-translations-of-her-own-words/discurso-de-greta-thunberg-ao-secret%C3%A1rio-geral-da-onu-ant%C3%B3nio-guterres-965c2236e773)

“Durante 25 anos, inúmeras pessoas estiveram à frente das conferências sobre o clima das Nações Unidas pedindo aos líderes da nossa nação para que parassem com as emissões. Mas, claramente, isso não funcionou, já que as emissões continuam aumentando.

Então, eu não vou perguntar nada a eles.

Em vez disso, pedirei à mídia que comece a tratar a crise como uma crise.

Em vez disso, pedirei às pessoas de todo mundo que percebam que nossos líderes políticos falharam conosco.

Porque estamos diante de uma ameaça existencial e não há tempo para continuar nessa estrada da loucura.

Países ricos como a Suécia precisam começar a reduzir as emissões em pelo menos 15% por ano para atingir a meta de aquecimento de 2 graus. Você pensaria que a mídia e todos os nossos líderes estariam falando só sobre esse assunto — mas ninguém nunca menciona nada sobre isso.

E ninguém fala também sobre o fato de estarmos no meio da sexta extinção em massa, com até 200 espécies sendo extintas por dia.

Além disso, ninguém nunca fala sobre o aspecto da equidade claramente declarado no acordo de Paris, o qual é absolutamente necessário para fazê-lo funcionar em escala global. Isso significa que países ricos como o meu precisam reduzir suas emissões a zero dentro de 6 a 12 anos, dada a velocidade de emissão de hoje, para que as pessoas nos países mais pobres aumentem seu padrão de vida construindo algumas das infraestruturas que já construímos. Por exemplo hospitais, eletricidade e água potável.

Como podemos esperar que países como a Índia, a Colômbia ou a Nigéria se preocupem com a crise climática se nós, que já temos tudo, não nos importamos nem um pouco com nossos compromissos com o acordo de Paris?

Então, quando a escola começou em agosto deste ano, eu sentei no chão do lado de fora do parlamento sueco. Eu fiz greve escolar pelo clima.

Algumas pessoas dizem que eu deveria estar na escola. Algumas pessoas dizem que eu deveria estudar para me tornar uma cientista do clima para poder “resolver a crise climática”. Mas a crise climática já foi resolvida. Já temos todos os fatos e soluções.

E por que eu deveria estar estudando para um futuro que, em breve, pode não existir mais, quando ninguém está fazendo nada para salvar esse futuro? E qual é o ponto de aprender sobre fatos quando os mais importantes fatos claramente não significam nada para a nossa sociedade?

Hoje, usamos 100 milhões de barris de petróleo por dia. Não há política para mudar isso. Não há regras para manter esse óleo no solo.

Então, não conseguiremos salvar o mundo jogando pelas regras do jogo. Porque essas regras precisam ser mudadas.

Portanto, não viemos aqui implorar aos líderes mundiais que cuidem do nosso futuro. Eles nos ignoraram no passado e nos ignorarão novamente.

Viemos aqui para que eles saibam que a mudança está vindo, gostem ou não. As pessoas enfrentarão o desafio. E, como nossos líderes estão se comportando como crianças, teremos que assumir a responsabilidade que eles deveriam ter assumido há muito tempo.”Greta Thunberg

Pois bem, considero que não podia ser mais esclarecedor e que só poderia ser proferido por esta jovem que encarna os desejos de muitos jovens por esse mundo fora. Isto porque os adultos à sua volta já estão demasiado comprometidos com os ERROS cometidos no passado e no presente.

Infelizmente, não são só os erros que têm sido cometidos por Políticos, Investidores, Cientistas e elementos do Poder instituído, por esse mundo fora. O mais grave é que esses erros são cometidos com uma indiferença, que considero criminosa, pelo Futuro de TODOS NÓS.

É tempo de os Jovens intervirem activamente nas decisões sobre o Futuro. Eles representam-no e são suficientemente capazes de afirmar o que não querem nas suas vidas.

O Poder instituído deve, obrigatoriamente, ouvir e respeitar a opinião deles.

Torna-se evidente que o mundo dos adultos com filhos, deve acompanhar, aconselhar e orientar as suas reivindicações, com sentido ético, sem desvirtuar o querer, mas que possam ser bem-sucedidos nas suas causas.

No entanto, verifica-se um problema no mundo atual, aqui representado pela evolução da pirâmide etária, que não atribui um peso suficientemente significativo à Juventude no Futuro. Senão vejamos;

transicao-demografica

Esta transição que se tem vindo a verificar, significa uma diminuição sensível das taxas de natalidade e mortalidade no tempo. (p.f. ver exemplo do Brasil).

 

Evolução da pirâmide etária do BR

Significa isto que a partir de agora, devem perfilar-se também os adultos conhecedores das causas dos Jovens e que possam atuar fidedignamente como assessores desses Jovens, conferindo assim um maior peso democrático às suas causas. Os adultos devem assim ser, igualmente, os agentes de mudança pelo ‘despertar’ dos Jovens, dando ‘corpo’, coerência, impacto e perspectiva de Futuro, contribuindo para o sucesso das suas causas junto dos Poderes instituídos.

Ou seja, os adultos passam a ser os Tutores dos Jovens.

Pirâmide Etária do Brasil 2060

Os Jovens deveriam passar a ter uma maior influência junto do Poder.

Por outro lado, esta dinâmica implicará uma mudança significativa nos elementos do Poder, de modo a permitir uma maior consonância com os anseios biosustentáveis do Povo.

Outro aspeto que se deverá verificar é uma significativa queda das barreiras inter- geracionais, de modo a permitir um diálogo frutuoso e de influência positiva.

De toda esta dinâmica terá de resultar uma mudança no Ensino e processo Educativo, onde os Valores Humanos, a Bio-sustentabilidade e o Futuro do Homem e da Biosfera caminhem em harmonia e possam contribuir para uma mudança efetiva da nossa Sociedade Global.

A Solidariedade com esta causa, e tantas outras bem positivas por esse mundo fora, representa um Valor Humano com Futuro.

Global Sustainable Intellingence

O meu texto anterior intitulado ‘Que solução para o Futuro do Homem?’ representa o meu grito de alerta para nos deixarmos de indiferenças fúteis e sermos melhores Cidadãos do Mundo.

Alfredo Sá Almeida                                                                               16 de Março de 2019

Que solução para o futuro do Homem?

Solução para o Homem 5

Parece estranha esta pergunta para quem domina TUDO e TODOS e que se julga um DEUS! (Yuval Noah Harari) Mas corresponde a uma triste realidade – ‘O Homem não se mostrou capaz de encontrar soluções sustentáveis e de Futuro para a sua vida nesta Biosfera!’.

Mas uma coisa é certa, só o próprio Homem tem a capacidade de encontrar a solução para os problemas que criou, mesmo julgando que era inteligente suficiente para os resolver. A não ser que prefiram ficar à espera de uns aliens  que nos venham impor uma solução!

Tantos e tão bons Escritores, publicando livros que são best-sellers, lidos por milhões de Pessoas em todo o mundo (como Yuval Noah Harari, Elizabeth Kolbert ou Al Gore), capazes de fazer uma análise exaustiva, científica, correta e inspiradora dos comportamentos Humanos nesta Sociedade Globalizada, e, não assistimos a uma resposta cabal, coletiva e duradoura para melhorar o Futuro do Homem com o pensamento no bem-comum!

Muitos de nós sabemos que os comportamentos Humanos nesta nossa Biosfera, não são sustentáveis e que a continuarmos assim, caminhamos para ‘A Sexta Extinção’ (Elizabeth Kolbert)!

Mas na realidade continua TUDO na mesma! Caminhamos para a nossa destruição como Seres Humanos e arrastaremos as outras espécies connosco!

Solução para o Homem 1

Não meus Amigos não se trata da sustentabilidade financeira mundial, ou, se o BREXIT com acordo ou sem acordo com a UE produzirá instabilidade dos mercados! Ou se a Venezuela e a Coreia do Norte deixarão de ser ditaduras! Ou se vamos continuar a consumir petróleo como maior fonte de energia!

NÃO, NÃO! … Somos NÓS que temos que encontrar uma solução viável para sermos Seres Humanos e não predadores insustentáveis! E, se não for a BEM (com o consenso da maioria) tem de ser por IMPOSIÇÃO dessa solução viável! Ou pretendem ter na vossa consciência a eliminação da face da Terra da grande maioria da diversidade de espécies e de NÓS próprios?

  • Será que não seremos capazes de encontrar os caminhos do BEM-COMUM para solucionarmos os nossos problemas?
  • Será que vamos continuar a defender que o Dinheiro, e quem o domina, é a entidade toda poderosa a que nos devemos subjugar para encontrarmos a melhor solução?
  • Será o VALOR HUMANO singular e coletivo a dimensão adequada para ser a plataforma de entendimento entre os Homens?
  • Vamos lá, meus Amigos, temos tantas opções que são viáveis para a grande maioria de NÓS e ficamos estupefactos e indiferentes perante tão dura realidade?

Se assim for, só vislumbro um grande problema que temos que resolver! Estamos todos VICIADOS neste modelo de Sociedade, que aconteça o que acontecer manteremos o nosso VÍCIO!

Solução para o Homem 3

Se o problema é o nosso VÍCIO, então existem soluções viáveis para o tratar! Só que não é de livre vontade que seremos ‘tratados’ (porque já demonstrámos que não temos força de vontade para o fazer)!

Bom, talvez a melhor solução seja divertirmo-nos muito e deixarmo-nos ‘anestesiar’ para termos uma morte coletiva ‘sem dor’!

Divirtam

  • Teremos NÓS a Inteligência Coletiva suficiente para mantermos os Valores Humanos de um Ser e sabermos transformarmo-nos em sustentáveis nesta Biosfera?

Bom, talvez prefiram abandonar este planeta e viajar para outro melhor! Os que cá ficarem que se ‘danem’!

Este é o meu ‘desabafo’, na tentativa (mais uma) de transmitir a minha modesta solução para os problemas da Humanidade. Continuo a acreditar que a SOLUÇÃO do VALOR HUMANO, como a tenho desenvolvido, é uma solução viável para os Seres Humanos responsáveis e conscientes do drama que criámos e que estamos inseridos.

Solução para o Homem 2

Alfredo Sá Almeida                                                                                  12 de Março de 2019

Sobre a dimensão dos Valores do Amor e da Liberdade

O Amor liberta

No mundo atual, por falta de uma Educação em Valores Humanos, sobressai uma deturpação de conceitos importantes e essenciais que prejudicam o entendimento global dos Seres Humanos e a construção de uma Consciência Coletiva e da Paz.

Destes, o Amor e a Liberdade são seguramente os mais acarinhados pela grande maioria das Pessoas. Representam a essência da Humanidade e do relacionamento entre Seres.

O grande problema está na prática de vida a que as Pessoas estão sujeitas, por vontade própria ou alheia. São poucas as que não se encontram condicionadas por práticas desajustadas à dimensão do Ser Humano. Acabam criando uma espiral, ou um turbilhão emocional aprisionador de vida, que tem como consequência a deturpação dos Valores essenciais.

“Para o psicanalista Alemão, filósofo e sociólogo Erich Fromm, ao contrário da crença comum de que o amor é algo “fácil de ocorrer” ou espontâneo, ele deve ser aprendido; ao invés de um mero sentimento que acontece, é uma faculdade que deve ser estudada para que possa se desenvolver – pois é uma “arte”, tal como a própria vida. Ele diz: “se quisermos aprender como se ama, devemos proceder do mesmo modo por que agiríamos se quiséssemos aprender qualquer outra arte, seja a música, a pintura, a carpintaria, ou a arte da medicina ou da engenharia”. – Wikipédia

Amor1 - Erich Fromm

“Erich Fromm, ainda, ressalta que “O amor é uma atividade, e não um afeto passivo; é um “erguimento” e não uma “queda”. De modo mais geral, o caráter ativo do amor pode ser descrito afirmando-se que o amor, antes de tudo, consiste em dar, e não em receber.” Como sentimento individual e personalíssimo, traz complexidade por envolver componentes emocionais, cognitivos, comportamentais que são difíceis – ou quase impossíveis – de separar.” – Wikipédia

O Amor na sua dimensão mais ampla é incondicional. Representa a verdadeira expressão do sentimento para com o outro. “Um exemplo disso é o amor dos pais para os seus filhos, não importa uma nota de prova, uma decisão de mudança de vida, um argumento, ou uma crença forte, a quantidade de amor que permanece entre este vínculo é visto como imutável e incondicional.” – Wikipédia

No caso da Liberdade a situação muda de referencial. Não se trata de um sentimento mas de uma capacidade Humana. “A liberdade é a capacidade de adotar seu próprio critério. Esta definição leva em consideração sua própria natureza e não aceita nenhum tipo de critério exterior. O mundo físico está caracterizado por relações de causa e efeito, onde qualquer fenómeno pode ser explicado por outro ou pela concorrência de outros que por sua vez se baseiam em fenômenos alternativos, e que se estendem à cadeia de causa e efeito de modo indefinido. Pelo contrário, a liberdade não encontra seu fundamento ou causa em nenhum aspeto exterior, mas além do que a própria vontade. No entanto, vale ressaltar que esta liberdade tem limites; mesmo assim, quando se diz que um homem está livre, talvez seja melhor dizer que sua vontade é livre, à medida que possam existir circunstâncias que limitem o campo de ação de uma pessoa.(https://conceitos.com/liberdade/).

Enquanto o sentimento do Amor pode variar de Pessoa para Pessoa dadas as diferenças na sua inteligência emocional. A Liberdade possui interpretações particulares consoante o Filósofo que reconstrói o conceito e o interpreta. “Liberdade significa o direito de agir segundo o seu livre arbítrio, de acordo com a própria vontade, desde que não prejudique outra pessoa, é a sensação de estar livre e não depender de ninguém. Liberdade é também um conjunto de ideias e dos direitos de cada cidadão.

Liberdade é classificada pela filosofia, como a independência do ser humano, o poder de ter autonomia e espontaneidade. A liberdade é um conceito utópico, uma vez que é questionável se realmente os indivíduos tem a liberdade que dizem ter, se com a mídia ela realmente existe, ou não. Diversos pensadores e filósofos dissertaram sobre a liberdade, como Sartre, Descartes, Spinoza, Leibniz, Schopenhauer, Kant, Marx entre outros.” (https://www.significados.com.br/liberdade/)

Em resumo, o Amor pleno é incondicional e a Liberdade é condicional, pois não deve colidir com a Liberdade alheia. Deste modo tem de ser convencionada para proporcionar harmonia social. Já a prática do Amor verdadeiro entre Pessoas é mais suscetível de causar entendimento sem constrangimento.

Na realidade atual verifica-se a deturpação conceptual quando assistimos à inversão da condição. Muitas Pessoas pretendem e desenvolvem um Amor condicional e desejam ardentemente uma Liberdade incondicional. Ora, esta inversão da condição conceptual entre um sentimento e uma capacidade Humanas acaba produzindo toda a espécie de confrontos, desentendimentos, ódios e radicalização ideológica.

Retornemos aos pensamentos estruturados de Erich Fromm para nos ajudar a resolver esta confusão:

“Um homem livre é, por força, inseguro. Um homem pensador é, forçosamente, dubitativo.” – Erich Fromm

“O amor é a última e real necessidade do ser humano.” – Erich Fromm

A meu ver só existe uma forma de resolver este ‘conflito’ da condição conceptual entre o Amor e a Liberdade. Se cada um de nós para além de desejar aprender a Amar, ser um Amante da Liberdade. Nesta condição não existirão confrontos que não sejam solucionáveis.

Aprenda a Amar e a ser Livre nas verdadeiras dimensões destes Valores essenciais à Vida.

Alfredo Sá Almeida                                                                                 7 de Novembro de 2018

Será possível erradicar a maldade e o ódio no Homem?

Maldade - Seneca

Muito provavelmente não será possível eliminar a maldade e o ódio da mente do Homem. Mas estou seguro que será possível reduzir significativamente e atenuar estas duas características de antivalores. Para tal temos de melhorar e expandir o processo educativo (revisto e renovado), para TODOS, desde muito cedo. Educar para uma Cidadania de responsabilidade em liberdade, onde os Valores Humanos serão transmitidos maioritariamente pelo exemplo.

Este tema foi muito bem abordado na Revista DN Life de 21 de Outubro de 2018 pela Jornalista Ana Pago, num texto intitulado “Somos todos pessoas más? A Ciência diz que sim”. (https://life.dn.pt/comportamento/maldadesomostodospessoasmascienciadizquesim/).

Pois bem, o que os conhecimentos científicos da atualidade (Psicologia Forense, Neuropsicologia, Psiquiatria, Neurologia) nos transmitem é um cenário pouco animador, mas está longe de nos permitir baixar os braços e perder a esperança de uma melhoria significativa nesta matéria.

Assim, convém reter que a maldade:

  1. “É um traço da natureza humana observado até em pessoas consideradas boas e decentes. A maldade é-nos intrínseca”Hernâni Carvalho (Psicologia Forense);
  2. “… só cinco por cento da população em geral tem uma moral irrepreensível – contra a maioria das pessoas normais que vão oscilando entre atos egoístas (antissociais) e altruístas.”Ricardo de Oliveira-Souza (Neurologista);
  3. “Virtualmente, cada indivíduo encerra em si o potencial para a bondade e a maldade, que se manifestam em diferentes proporções dependendo da índole (em grande parte hereditária), do ambiente em que é criado e das circunstâncias e contexto, variáveis de momento a momento, … para quem a capacidade de refletir sobre os efeitos do mal que fazemos é um atributo tipicamente humano.”Ricardo de Oliveira-Souza (Neurologista);
  4. “A maioria de nós tem na cabeça uma espécie de detetor que difunde julgamentos morais a tempo inteiro.” – Ricardo de Oliveira-Souza (Neurologista);
  5. “Em contraste, cerca de três por cento da população são indivíduos cuja personalidade se caracteriza por comportamentos antissociais desde a infância ou adolescência, a maior parte dos quais tem o diagnóstico formal de sociopatia. Destes, apenas uma parcela de cerca de um por cento da população mundial recebe o diagnóstico adicional de psicopatia, que além de antissocial não sente remorsos, vergonha, culpa do que faz ou compaixão pelo sofrimento dos outros.”Ricardo de Oliveira-Souza (Neurologista);
  6. “Óbvio que nem só a genética, as condições sociais, lesões cerebrais, lares desfeitos, perturbações de personalidade, abusos na infância, consumo de drogas, maus-tratos físicos e psicológicos ou rejeição familiar determinam estes atos antissociais: o cocktail explosivo que é a maldade faz-se de vários fatores conjugados.”Vítor Cotovio (Psiquiatra).

Perante estas evidências, verificamos que podemos melhorar significativamente a vida de 92% da população em geral, com uma formação em Valores Humanos, ‘desenhada’ consoante os grupos da Sociedade, e, uma Educação de qualidade em Valores Humanos para todas as crianças e jovens até à idade adulta. Formar e Educar para uma Cidadania de Valor. E ainda, que todos os dirigentes Políticos, Económicos, Sociais, Financeiros, Religiosos, Militares, Policiais, Judiciais, etc. atuem com muita responsabilidade e deem o exemplo, para consolidar as melhorias.

Convém lembrarmo-nos das sábias palavras de Nelson Mandela:

Ódio - Nelson Mandela

Porque não estamos a ‘caminhar’ neste sentido? Pura e simplesmente por negligência e desleixo sobranceiro dos nossos dirigentes e indiferença do Povo!

Ódio - Buda 1

Todos nós sabemos a importância fundamental e essencial de uma boa Educação, mas continuamos a olhar para o lado e assobiar, como se nada fosse connosco.

Maldade - Einstein

Jorge Luís Borges transmite-nos bem o segredo – “Parece-me fácil viver sem ódio, coisa que nunca senti, mas viver sem amor acho impossível”.

Vou continuar a batalhar no tema que tenho desenvolvido, desde há mais de seis anos a esta parte, os Valores Humanos na Educação formal Escolar e a Valorização do Ser Humano.

Esta ‘batalha’ nunca fez tanto sentido como nos dias de hoje, onde tanta maldade e ódio se encontra disseminada por esse mundo fora. Para que nunca mais se verifique o que um Pedro escreveu no seu diário “… e por não conseguir ver a maldade no mundo, eu a sentia na pele”.

Que a Sociedade, por natureza, deixe de corromper os Homens que nascem bons. E aqueles que não tiverem essa sorte possam ser educados e acompanhados para não contribuírem para avolumar a maldade deste mundo. Mas, sobretudo, que os Valores Humanos prevaleçam como uma causa estruturante da Humanidade.

Bondade - Jean-Jacques Rousseau

Alfredo Sá Almeida                                                                   2 de Novembro de 2018