Cidadãos do Mundo, demonstremos a nossa Consciência Coletiva!

Cidadão do Mundo

Meus caros Leitores, este é o meu grito de alerta a Todos os Cidadãos do Mundo, conscientes dos problemas ambientais e climáticos graves provocados pelo Homem e preocupados com as probabilidades mencionadas pela comunidade científica mundial.

“Cientistas avisam que o aquecimento global pode pôr em causa a sobrevivência humana já em 2050”

(http://visao.sapo.pt/actualidade/sociedade/2019-06-04-Cientistas-avisam-que-o-aquecimento-global-pode-por-em-causa-a-sobrevivencia-humana-ja-em-2050) Revista Visão 4/6/2019.

Cidadão do Mundo - Sócrates

“Ser cidadão do mundo é não ter fronteiras dentro de si. É ser um, com o mundo, e o mundo estar um, em ti. É romper os obstáculos de línguas, culturas, raças e etnias. Para ser verdadeiramente cidadão do mundo, disse-me o filósofo, era preciso sentir-se em casa. Estar em casa não aqui, nem ali, mas em toda e qualquer parte do mundo.”Sócrates (https://www.publico.pt/2018/06/08/p3/cronica/ser-cidadao-do-mundo-1834969) Artigo de opinião de Pedro Sampaio Minassa (8/6/2018).

Sigamos o exemplo deste Estudante de Direito quando ele afirma: “Ser cidadão do mundo é a liberdade consciente, é o elemento fundamental da nova onda de cidadania global, que consiste em ser-se semente e não árvore. Sentir-se bem onde estiver e por onde for porque, se o mundo é uma casa, em nada comum, é, em tudo, comunitária.”

Pois bem, meus caros Leitores, o problema é muito grave, muito sério e requer ações concretas imediatas por parte de TODOS os Cidadãos.

Vocês vêm os Líderes mundiais preocupados, ou mesmo, com uma agenda política tentando congregar esforços para encontrar soluções viáveis para serem implementadas no curto prazo?

Eu, sinceramente, não os vejo preocupados! Assisto ao contrassenso de os ver preocupados com a Guerra (seja comercial ou bélica) e com as estratégias de guerra e de intimidação mútua. Preocupados com os Cidadãos? Não! Estou convicto que não querem saber do nós. Bem podemos morrer ‘fritos’ ou em guerra que para eles é igual, eles estarão sempre a salvo!

Somos nós, que conjuntamente à comunidade científica devemos agir, delinear estratégias, traçar rumos e desenvolver ações concertadas para congregar o maior número de Cidadãos do Mundo, com base nos ensinamentos científicos, possuirmos a Força da Razão que irá mudar o mundo. Se houver Líderes políticos que nos queiram seguir, tanto melhor. Se não, não fazem falta nenhuma. Aliás, o espírito da Democracia é esse (regime político em que a soberania é exercida pelo povo). E o Povo é soberano!

Ora o que nos diz a comunidade Científica: “Uma equipa de investigadores australianos tentou prever o cenário resultante das alterações climáticas, a médio prazo, e os resultados não são nada animadores”. Neste artigo da Revista Visão (http://visao.sapo.pt/actualidade/sociedade/2019-06-04-Cientistas-avisam-que-o-aquecimento-global-pode-por-em-causa-a-sobrevivencia-humana-ja-em-2050) que transcreve os resultados do Centro Nacional Para a Restauração do Clima Australiano, somos alertados para as consequências da ação do Homem sobre as alterações climáticas.

“Com base nas investigações científicas realizadas até ao momento, qual seria o cenário em 2050. Os resultados estimam que o planeta esteja sob o efeito de um calor extremo que ameaçará a sobrevivência humana, que vários ecossistemas colapsem, milhares de pessoas tenham de ser deslocadas deixando algumas das cidades mais populosas do mundo praticamente abandonadas, e que a produção de alimento e reservas de água baixem drasticamente.

Para Chris Barrie, autor do estudo e ex-diretor do Departamento de Defesa Australiano, não há dúvidas de que “depois da guerra nuclear, o aquecimento global provocado pela ação humana, é a maior ameaça à vida humana no planeta”. “Um futuro apocalíptico não é inevitável”, acredita, deixando, no entanto, o aviso: “Sem uma ação drástica imediata, as nossas perspetivas (de sobrevivência) são fracas.”

David Spratt e Ian Dunlop, também eles autores do estudo e investigadores experientes dedicados ao clima, concordam que as alterações climáticas representam uma “ameaça existencial a médio prazo para a civilização humana”.

Baseado-se nas pesquisas científicas existentes, prevê-se que as temperaturas globais aumentem 3 graus Celsius até 2050.

As consequências?

  • 55% da população mundial (a viver em 35% da superfície terrestre) sofreria mais de 20 dias de calor letal por ano, algo “além do limiar de sobrevivência humana”;
  • Em África, na América do Sul, no Médio Oriente e no Sudeste Asiático, o calor fatal deveria durar mais de 100 dias por ano, levando à deslocação de aproximadamente mil milhões de pessoas;
  • Neste cenário, muitos ecossistemas não iriam resistir, incluindo o Ártico, a Amazónia e os recifes de coral;
  • A subida do nível do mar iria forçar a população de Mumbai, Jacarta, Guangzhou, Hong Kong, Ho Chi Minh, Shangai, Banguecoque, Manila, entre outras, a abandonar as cidades. Só no Bangladesh cerca de 15 milhões de pessoas seriam deslocadas;
  • A produção de alimentos diminuiria devido ao “declínio catastrófico” das populações de insetos, ao clima muito quente e à escassez de água. Sem alimentos suficientes para a população mundial, os preços subiriam vertiginosamente;

Nos resultados publicados pode ler-se ainda que “as consequências sociais vão desde o aumento do fervor religioso ao caos total”, e à “mudança permanente na relação da humanidade com a natureza”.”Visão.

Ouvimos, com frequência, que os Políticos não gostam de notícias alarmistas, pois podem provocar o caos social. Mas não assistimos à ‘construção’ de nenhuma dinâmica concertada com as Populações, com as Empresas, com os Países, com as comunidades de Nações para minimizar os efeitos destas previsões. Mais do que minimizar, será necessário resolver os problemas de fundo.

O problema não está relacionado com o dinheiro que será necessário para enfrentar as consequências desta crise de Inteligência Humana. Se se tratasse de uma Guerra Mundial tudo seria sempre feito para produzir os melhores resultados!

“Grandes empresas estimam riscos das alterações climáticas em 900 mil milhões” – Revista Sábado 4/6/2019 (https://www.sabado.pt/dinheiro/detalhe/grandes-empresas-estimam-riscos-das-alteracoes-climaticas-em-900-mil-milhoes) . “As alterações climáticas representam riscos financeiros de quase 900 mil milhões de euros, estimam algumas das maiores empresas do mundo num relatório esta terça-feira divulgado. Os números são sugeridos tendo em conta três quartos (366) das 500 maiores empresas do mundo, que no conjunto estão avaliadas em 15 biliões de euros.

O documento foi divulgado pela organização internacional Carbon Disclosure Project (CDP) e alerta que muitos desses impactos resultantes dos riscos climáticos poderão ocorrer nos próximos cinco anos.

Do valor de perdas estimado, cerca de 446 mil milhões de euros são classificados como altamente prováveis ou quase certos, nomeadamente devido a custos operacionais mais elevados, relacionados com mudanças nas leis e nas políticas.”

Pois é! Não será preferível uma grande ação concertada de TODOS os Cidadãos do Mundo para resolver estes grandes problemas a nível mundial, que uma Guerra ao mesmo nível? Nem coloco em causa qual será a melhor resposta a esta pergunta. Alguns Líderes mundiais talvez tenham outra ‘visão’ oculta, que não querem partilhar com a comunidade de Cidadãos do Mundo, mas nós sabemos que tudo deveria estar a ser feito, concertadamente, para evitar grandes catástrofes, sejam elas quais forem.

Todos nós temos de congregar esforços, demonstrarmos a nossa verdadeira Consciência Coletiva, darmos as mãos e mostrarmos ao Mundo o que a Inteligência Coletiva é capaz de fazer pelo bem da sustentabilidade deste nosso Planeta, que é a nossa casa, e construirmos um Futuro Coletivo digno de Seres Humanos com Valores.

Alfredo Sá Almeida                                                                                        6 de Junho de 2019

A Realidade Humana

Realidade 3

A Realidade é um universo com várias dimensões e muitas variáveis. Está dependente de quem a interpreta e do método utilizado na interpretação. Para que essa interpretação seja mais precisa deverá basear-se em recolha de dados e métodos estatísticos, que no final deverão ainda ser compilados e submetidos a outra interpretação. Lembremo-nos, mesmo quando existem diferentes observadores da mesma realidade em simultâneo, o modo como a interpretam pode ser diferente. Por comparação, a Realidade corresponde à recolha de dados em tempo-real nas tecnologias da informação.

Sem dúvida está dependente de atitudes e comportamentos dos Seres Humanos, da sua Educação, da Consciência adquirida e da envolvente Social e Coletiva. A maneira de Ser e de Estar contribuem decisivamente para a Realidade.

“O termo realidade se refere a uma circunstância externa à percepção humana e que é independente dela. A realidade representa todos os fenômenos do universo cujas leis estão fora de alcance da vontade do homem. Assim, compete ao homem conhecer as leis e compreendê-las para ter algum tipo de influência na realidade. Ela existe de alguma maneira determinada e pode ser básica em algum ponto, mas também pode servir de debate na história da filosofia e da ciência. De facto, sempre foi necessário estabelecer um limite entre o real e a percepção dos sentidos para fins da ciência. Desta forma, podemos observar as várias controvérsias do passado.” (https://conceitos.com/realidade/)

Realidade 1

Atualmente somos 7,5 biliões de Seres conscientes e inteligentes, neste Planeta, e muitos biliões mais de outros Seres Vivos na nossa Biosfera. Cada um dos Seres Humanos tem a sua interpretação de uma realidade. Os mais esclarecidos terão na sua mente uma realidade de maior dimensão, dependendo das suas experiências de vida e dos conhecimentos adquiridos. Mas não necessariamente uma interpretação suficientemente abrangente para ser considerada global.

Aliás, o Global vai depender da dimensão que se considerar e do objeto de observação. Assim sendo, deveremos considerar as diferentes parcelas da Realidade e as suas interações. Parece complexo e é complexo. Só um processo de compartimentação e simplificação interpretativa poderá ajudar a esclarecer a Realidade objeto de observação, porque é multidimensional.

Mas a que propósito estou eu a dificultar-lhes a interpretação da Realidade? Porque ela tem de ser objetiva, bem dimensionada e submetida à Razão (raciocínio lógico-dedutivo dos factos). “Razão, no sentido geral, é a faculdade de conhecimento intelectual próprio do ser humano, é um entendimento, em oposição à emoção. É a capacidade do pensamento dedutivo, realizado por meio de argumentos e de abstrações. É a faculdade de raciocinar, de ascender às ideias.” (https://www.significados.com.br/razao/)

Como podem verificar não é um processo fácil. No entanto, há quem o transforme em facilitismo na interpretação, e/ou, deturpe a interpretação dos factos para dar outra sensação de realidade. Este é o estado perigoso em que o Homem transforma a Realidade.

Basta observarmos o dia-a-dia da Comunicação Social e das Redes Sociais, que nos envolvem muito tempo, para nos apercebermos do modo como recebemos uma parcela da realidade. Uma dimensão perversa do que chamamos de Realidade, vem sobre a forma de fake-news (notícias falsas).

Mas o Homem, na sua senda de pesquisa, inovação e criatividade, não se fica por estas dimensões! Desenvolveu mais dimensões de percepção da realidade – Realidade Virtual, Realidade Aumentada, Realidade Mista.

Realidade 6

(Fonte da imagem: https://moreleads.pt/realidade-mista-e-marketing-digital/ )

No Presente e num Futuro Próximo, o Ser Humano tem de estar muito bem preparado, através da Educação e do Ensino (todos os níveis), em matéria de Conhecimento e de capacidade interpretativa para não se deixar envolver racional e emocionalmente pelos caminhos tortuosos da realidade facilitada. Sobretudo preparar bem a sua Consciência Individual e Coletiva para as armadilhas que determinados grupos económicos e financeiros, religiosos e espirituais, políticos e sociais, de índole pouco confiável, nos quererem ‘mentalizar’ para o lado ‘negro’ da Realidade.

A mente Humana, por ser ‘moldável’ e ‘volúvel’, deverá possuir as características e Valores Humanos, da nossa espécie melhorada, para não perdermos definitivamente a nossa dignidade e condição Humanista.

Infelizmente, o Homem é ‘bombardeado’ constantemente com informação de todo o tipo. É uma ‘guerra’ continuada com tendências de guerra-fria, onde impera a hipocrisia, na qual deve sobressair o Ser Humano de Valor.

A este propósito gostaria de vos transcrever um comentário que a minha querida companheira Angela Figueiredo Alem fez sobre o meu texto “À Descoberta do Planeta Terra”  (https://valorhumano.me/2019/05/05/a-descoberta-do-planeta-terra/), que a meu ver traduz bem o modo como encaramos a Realidade:

“E quanto mais nos conhecemos como Humanidade, mais percebemos quanto somos absurdamente ignorantes, quando formulamos raciocínios falsos a fim de ‘massagear nosso ego’, tirando conclusões que não condizem com as atitudes que apresentamos no nosso cotidiano!

Basta observar, o que fazemos com os nossos semelhantes e o nosso Planeta! Sem contar com o que fazemos até a nós mesmos!

A grande maioria de nós, nasce perfeita… sim!

Entretanto, perfeitos apenas o suficiente para começarmos a nos destruir ao adquirirmos um pouco de autonomia para destruirmos:

  • O nosso Planeta, o nosso corpo e o nosso cérebro;
  • O nosso presente e o nosso futuro (individual e coletivo), através de comportamentos destrutivos e até suicidas [como: vícios que matam tão lentamente que os viciados não acreditam, nem percebem… aliás, só perceberiam se realmente fossem inteligentes. E que vícios são estes que matam nos ‘quatro cantos’ deste planeta? 1) Cigarros de todo o tipo; 2) Bebidas alcoólicas de todo o tipo; 3) Drogas de todo o tipo e espécie, já criadas e utilizadas em todo o Planeta].”Angela Alem 

O Homem tem um prazer mórbido e uma obsessão pelo ‘abismo’ julgando que poderá sempre voltar para trás e recuperar outro caminho melhor. Mas não é verdade. Muitas Pessoas escolhem caminhos de vida destruidores de inteligência julgando que podem inverter o sentido. Esquecem-se que existem caminhos que uma vez trilhados não têm retorno, pois os elementos existentes nesse caminho se encarregam de os ‘puxar’ para a sua autodestruição. Infelizmente muitos de nós não possuem a Consciência desta triste realidade e julgam-se Super Homens. Quem consegue superar dessas trágicas vicissitudes, não só demonstra coragem como se transforma num vencedor que pode ajudar outros na mesma condição.

Pelo que me é dado observar, o Homem possui um poder destruidor bem mais potente que o poder de construir sustentadamente caminhos de Vida. Basta verificarmos o modo como as alterações climáticas e o aquecimento global estão a ser combatidas, para constatarmos que a este ritmo morreremos todos ‘fritos’.

Vejamos a realidade dos resíduos de plástico e constataremos que será preferível construir um continente flutuante do que limpar o lixo que é depositado nos oceanos. A questão que se pode colocar é de natureza ética. A biosfera marinha pertence a seres que o Homem está a envenenar e a destruir, para além da destruição dos bancos de pesca que o Homem usa para seu belo prazer.

Portanto, meus caros Leitores, a Realidade somos NÓS que a construímos todos os dias, a todas as horas, com as nossas atitudes e comportamentos. Quanto mais estivermos imbuídos de Valores Humanos e Consciência Individual e Coletiva, melhor preparados estaremos para construir o nosso Futuro Sustentável neste Planeta único do nosso Universo. Mesmo que não seja único temos o DEVER de respeitar o equilibro da nossa Biosfera, que se tornou a nossa casa.

Realidade 9

Alfredo Sá Almeida                                                                                   19 de Maio de 2019

Imaginem…

only-imagine

Estamos em 2060. Praticamente não há guerra no Planeta Terra.

Vivemos num mundo cada dia mais tecnológico. Estamos profundamente ‘mergulhados’ na realidade virtual, na realidade aumentada, nas imagens holográficas 3D, etc. Por outro lado, a grande maioria da sociedade vive em mega-cidades de dezenas de milhões de habitantes. Cidades modernas com todas as tecnologias ao dispor de todos os Cidadãos. Cidades higiénicas em todo o sentido da palavra. Casas higiénicas em todo o sentido da palavra.

Não há poluição nas ruas, nem em qualquer outro lugar. As energias limpas são usadas a 100% em todas as cidades e em todas as casas.

Todas as crianças vão à Escola e aprendem todos os dias como lidar com as novas tecnologias que surgem a um ritmo acelerado.

Agora, meus caros leitores, imaginem-se uma criança dos 4 aos 12 anos de idade que convive com todas as tecnologias (possíveis e imaginárias).

Será que essa criança poderá imaginar a beleza da nossa Biosfera atual (a que ainda resta), com toda a diversidade vegetal e animal?

– Dirão:

  1. Mas poderá ver fotos e vídeos de como era antigamente. Ou;
  2. Poderá ver em tempo real imagens da Terra via satélite. Ou;
  3. Poderá ver através da realidade virtual vídeos do nosso Planeta;
  4. Etc.

Mas terá tempo para aprender sobre a vida e os Valores Humanos?

– Dirão:

  1. Claro que sim, todos os cursos estão disponíveis em tempo real. (Mas, será que poderá acampar com os Pais numa floresta para aprender diretamente em plena natureza?)
  2. Conviverá com todas as outras crianças da Escola e aprenderá a interagir em Sociedade. (Mas, será que existirá uma Escola como a atual?)

Em que tipo de Escola aprenderá ela todas as matérias que necessita para lidar com tanta tecnologia? Saberá ela entender o significado de toda aquela tecnologia?

Se tudo estará automatizado, se existirão robots para fazer todos os trabalhos normais diários, a ela só restará pensar para realizar. Ela verá os seus Pais elaborar tarefas complicadíssimas com uma facilidade enorme, logo ela também será capaz no futuro próximo de as realizar.

Num mundo como aquele que tenho vindo a descrever:

  1. Que convívio terão as crianças e jovens?
  2. Como se relacionarão? (por transmissão de pensamento, talvez.)
  3. Que Valores Humanos irão sobressair das suas vivências?
  4. Afinal de contas elas saberão resolver problemas dos mais complexos, mas será que compreenderão para quê? E por quê?
  5. Como lidarão com o nascimento e a morte? (afinal as Pessoas vivem durante longos anos com saúde.)
  6. Como lidarão com as emoções? Ou, com o Amor? Ou, com a violência? Ou, com o bullying? Será que não dispõem de jogos informáticos violentos em realidade virtual?
  7. Como serão incentivadas as diversas criatividades naturais de uma criança? Com tanta tecnologia ao dispor, como será? Música? Pintura? Escultura? Dança? Cinema? Literatura? Arquitetura? Etc.?
  8. Haverá Filósofos Humanistas? Aprenderão elas sobre o Humanismo?
  9. Será que saberá como ultrapassar um sofrimento de Ser Humano?

Enfim, serão muitas delas sobredotadas e com uma capacidade enorme de realização e construção. Mas serão Felizes? Como interiorizarão a Felicidade, o Amor e a Convivência?

Bom, deixemo-nos de perguntas vãs e generalistas.

Vamos ao que interessa. Chegou a hora dos adultos e dos interesses mais diversos.

Em 2100 foi descoberto um Planeta capaz de suportar vida Humana e que poderá conter outras formas de vida. É claro que o Homem há muito que anseia visitar um desses Planetas, até colonizá-lo (se possível). Todas as tecnologias existem para colocar uma equipa multidisciplinar nesse planeta, em tempo considerado satisfatório (menos de um ano terrestre).

Será o Homem capaz de colonizar outro Planeta com o mesmo espírito com que colonizou (usurpando) outros  territórios continentais no passado? Ou, estará bem preparado como Ser Humano, imbuído de Valores Humanos, capaz de compreender outras ‘civilizações’, possuir o grau de empatia necessário para conviver e aprender como e porque vivem daquela maneira? Terão os Cidadãos de 2100 uma Inteligência e Consciência Coletivas capaz de estabelecerem um contacto positivo com outras civilizações, sem as colonizar? Não só podem como devem imaginar sempre a melhor das situações possíveis, já que nos consideramos os seres mais inteligentes que conhecemos até agora.

Penso que o Homem tudo fará para encontrar um Paraíso, julgando que poderá eternamente desfrutar de todos os recursos, sem ter de se preocupar muito com o Futuro Coletivo.

Seremos nós capazes de SER biosustentáveis? Ou, seremos como a história de Adão e Eva?

Será que aprendemos a lição?

Eu só posso imaginar o Futuro e desejar que a Humanidade seja cada vez mais Humana e com Valor. Mas também posso contribuir para a construção de um Futuro melhor para TODOS! OU NÃO POSSO?

Alfredo Sá Almeida                                                                           17 de Março de 2019